Ocorreu um erro neste gadget

segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

O Sal da Terra Beto Guedes


Anda!
Quero te dizer nenhum segredo
Falo nesse chão, da nossa casa
Bem que tá na hora de arrumar...
Tempo!
Quero viver mais duzentos anos
Quero não ferir meu semelhante
Nem por isso quero me ferir
Vamos precisar de todo mundo
Prá banir do mundo a opressão
Para construir a vida nova
Vamos precisar de muito amor
A felicidade mora ao lado
E quem não é tolo pode ver...
A paz na Terra, amor
O pé na terra
A paz na Terra, amor
O sal da...
Terra!
És o mais bonito dos planetas
Tão te maltratando por dinheiro
Tu que és a nave nossa irmã
Canta!
Leva tua vida em harmonia
E nos alimenta com seus frutos
Tu que és do homem, a maçã...
Vamos precisar de todo mundo
Um mais um é sempre mais que dois
Prá melhor juntar as nossas forças
É só repartir melhor o pão
Recriar o paraíso agora
Para merecer quem vem depois...
Deixa nascer, o amor
Deixa fluir, o amor
Deixa crescer, o amor
Deixa viver, o amor
O sal da terra

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Mulheres na política por Thiene Barreto | 24/09/2010

                   “As mulheres americanas foram as primeiras a conquistar o direito de poderem participar de uma eleição como candidatas, em 1788”

Quando o assunto é política, não há como negar que os homens ainda são ampla maioria. No entanto, exemplos de mulheres que exerceram o poder e influenciaram sua época de forma decisiva não faltam na História. Mesmo um século antes de Cristo já tínhamos uma mulher ditando as regras. Quem não conhece Cleópatra, rainha do Egito? Referência também é Alexandrina Vitória - a Rainha Vitória da Inglaterra -, chefe de governo do Império Britânico entre 1837 e 1901. Seu legado ficou conhecido como Era Vitoriana.
Apesar de Cleópatra e a Rainha Vitória serem grandes exemplos de mulheres no poder, a maior participação social e política da mulher se deu principalmente quando elas se inseriram no mercado de trabalho, após a Revolução Industrial. O fenômeno se consolidou durante o século XX, o que ampliou a visibilidade feminina na sociedade. Além de terem entrado no mercado de trabalho, conquistaram o direito de votar e serem votadas.

As mulheres americanas foram as primeiras a conquistar o direito de poderem participar de uma eleição como candidatas, em 1788, mas o direito de votar só foi adquirido em 1920. Na Nova Zelândia, as mulheres adquiriram primeiro o direito de votar, em 1893 e mais de vinte anos depois, em 1919, o direito de ser eleita.

Tomando-se como referência o sufrágio universal - direito de votar e de ser votado - observa-se que as mulheres brasileiras adquiriram esse direito por intermédio do Decreto n.º 21.076, de 24 de fevereiro de 1932, que instituiu o Código Eleitoral Brasileiro, sendo esse direito assegurado na Constituição de 1934. Segundo as disposições transitórias, no artigo 121 do Código Eleitoral, as mulheres não eram obrigadas a votar.

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Dia 8 de Março: CTB na luta contra toda forma de opressão e discriminação


AddThis Social Bookmark Button
cartaz_mulheres_ctb_2011
A eleição da primeira mulher para o cargo mais alto da política brasileira representa um motivo de alegria e um aumento, significante, de responsabilidade por parte dos movimentos sociais progressistas que lutaram para que este resultado histórico se concretizasse.

Desta forma, o ato em comemoração ao Dia Internacional da Mulher será um bom momento para se avaliar todo o processo eleitoral que culminou com a eleição da presidenta Dilma Rousseff, além de ser a oportunidade de analisar os avanços das lutas das mulheres em todos os espaços da sociedade, em especial no mundo do trabalho.
A CTB, como entidade classista que tem como principio fundamental a luta contra a desigualdade, o preconceito, o imperialismo e a favor uma sociedade mais justa e igualitária, participará de atividades, em diversos estados da federação, comemorando o dia 8 de março.
Como este ano o Dia Internacional da Mulher cai na terça-feira de carnaval, a CTB orienta as entidades estaduais a desenvolverem ações temáticas voltadas à categoria ou realizarem ações conjuntas com as organizações de mulheres, Fóruns, Conselhos dos direitos das mulheres, entre outros.
A prioridade da Secretaria da Mulher Trabalhadora da CTB é a realização desses eventos no próprio dia 8, contudo em virtude das agendas festivas em alguns estados, esses atos poderão ser realizados em outras datas do mês de março.
Durante os eventos, as CTBs estaduais trabalharão o fortalecimento dos principais eixos de luta das mulheres no atual cenário político e social brasileiro, que são:
•    A defesa do desenvolvimento com valorização do trabalho;
•    Redução da jornada para 40 horas semanis com igualdade salarial para trabalhadores e trabalhadoras;
•    Contra o fator previdenciário no calculo da aposentadoria;
•    Em defesa da reforma agrária com titulação e credito para a mulher;
•    Manutenção e ampliação das políticas públicas que contribuíam para romper com as desigualdades entre homens e mulheres;
•    Licença maternidade de 180 dias obrigatória e não facultativa;
•    Aplicação imediata da Lei Maria da Penha;
•    Defesa do Programa Nacional de Direitos Humanos;
•    Escolas e Creches Públicas de boa qualidade.

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

MOVIMENTO MÃOS LIMPAS

Amigos e amigas,
no próximos dia 17, quinta-feira, o Movimento Mãos Limpas estará mais uma vez na Câmara Municipal de Macapá pressionando a casa para afastar imediatamente e definitivamente o prefeito Roberto Góes.
O gestor da nossa cidade esteve 55 dias preso na Papuda em Brasília e inaceitável que este volte a gerir a prefeitura diante do caos em que se encontra.
O movimento já entregou um abaixo-assinado com mais quase 7 mil assinaturas à presidência da Câmara. O presidente da casa recebeu e prometeu tomar providências sobre o caso, mas é preciso que a sociedade acompanhe. É preciso a adesão de mais pessoas da sociedade civil, movimento sociais, sindicatos, associações, partidos políticos e todos que estão indignados com a situação da nossa prefeitura. Não vamos deixar que a nossa cidade fique na mesma crise que último governador deixou o nosso estado.
Na próxima quinta, a sociedade civil poderá usar a tribuna da Câmara que foi pedido através de requerimento dos vereadores Clécio Luís (PSOL), Washington Picanço (PSB) e Nelson Souza (PCB).
Yan Fernando

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

A Arte da Guerra. No Rio de Janeiro

Luciano Rezende *

Sun Tzu disse: “Na guerra, o objetivo principal é a vitória. Se esta tardar, embotam-se as armas e deprime-se o moral”. Décadas da presença do crime organizado em vastas regiões da cidade do Rio de Janeiro, com a cumplicidade de setores da própria polícia, fizeram com que a reputação desta corporação e dos poderes constituídos do Estado fosse maculada perante o povo. Resgatar a confiança e a credibilidade das instituições de segurança pública é tarefa das mais importantes.

Sun Tzu disse: “Ataca onde quer que o inimigo esteja despreparado; irrompe quando ele não te esperar”. Como se diz: “Quando o trovão ribomba, não há tempo de tapar os ouvidos”. A complexidade do tráfico faz necessário que além das ações mais enérgicas e de enfrentamento ostensivo se invista no trabalho de inteligência. Sitiar as movimentações financeiras é uma forma de manter o inimigo sob pressão e esgotá-lo.

Sun Tzu disse: “A natureza do terreno é o fator fundamental para o exército consolidar sua vitória”. “(...) Em terreno íngreme, devo tomar posições nas elevações ensolaradas e aguardar o inimigo”. Com as instalações das Unidades de Polícia Pacificadora (UPP’s) nos topos dos morros, deslocando os traficantes de suas antigas bases estratégicas, contribuirá sobremaneira para uma efetiva ocupação destas comunidades que, por sua topografia irregular, necessita contar com visão privilegiada para dificultar o retorno do inimigo. “Quando um gato se posta diante de um buraco de ratos, dez mil ratos não saem; quando o tigre vigia o vau, dez mil carneiros não atravessam o rio”.

Sun Tzu disse: “Um exército sem agentes secretos é exatamente como um homem sem olhos e sem ouvidos”. Nesse quesito, parece que os traficantes sempre dispuseram de informações privilegiadas partindo de dentro da própria polícia. Em contrapartida, percebe-se que agora a própria população, ao readquirir o moral de combatentes auxiliares desta guerra, passa a ser informante contra o tráfico, apoiando a polícia através de importantes denúncias telefônicas.

Sun Tzu disse: “Quando as tropas estão em situação favorável, o covarde é bravo; quando não, o bravo é covarde. Na arte da guerra não existem regras fixas. Estas dependem unicamente das circunstâncias”. Esperemos que a firmeza do discurso oficial no atual momento seja mantida com o decorrer do tempo e que as políticas sociais de fato “subam o morro” e sejam implantadas com a coragem necessária para superar de vez as práticas assistencialistas do inimigo.

Sun Tzu disse: “Não permitas que seus inimigos se aliem. Examina o conteúdo dessas alianças e provoca sua ruptura. Se o inimigo tem alianças, o problema é grave e a posição dele, muito forte; se não as tem, o problema é menor e a posição dele, muito fraca”. O crime organizado no Rio conseguiu tecer vasta rede de colaboradores. Tem representação no Parlamento e está infiltrado em várias repartições com anuência de vários agentes do poder público. Romper esse consórcio é tarefa a ser perseguida.

Sun Tzu disse muito mais em “A Arte da Guerra”. Documento milenar que a despeito de seu contexto histórico guarda enorme atualidade. Mas Sun Tzu não viveu o capitalismo. Não desconfiava de poder existir um modo de produção capaz de disseminar uma cultura de guerra e violência de fazer inveja aos antigos senhores de guerra.

A cultura da violência vem do berço no capitalismo que sobrevive do espírito de uma bestial competição, em todos os sentidos. A própria insegurança da população é um ótimo negócio a ser comercializado pela indústria da segurança, inclusive por milícias. Banalizou-se a violência como em poucos momentos da história da civilização. Hoje uma criança pede à mãe para comprar um “caveirão” do Bope de brinquedo, assistindo um ingênuo Pica-pau vermelho e azul meter uma paulada na cabeça de um índio. Todos riem.

Relembrando Brecht: “Muitos acusam o rio de violento, mas poucos são os que condenam as margens que o reprime”. Em meio a mais uma cobertura midiática sensacionalista, é fundamental que, ao reafirmarmos a validade das operações policiais, também sejamos capazes de fazer uma leitura histórica e científica da violência no Rio, no Brasil e no mundo. Não ser ingênuo a ponto de pensar que o tráfico vai ser vencido apenas com políticas sociais, mas também não imaginar que somente a ação policialesca será suficiente para se alcançar o apaziguamento. O rio (e o Rio) está (ão) cada vez mais estreito (s).

A verdadeira paz só será atingida com outro sistema social, o que exigirá um outro tipo de guerra, mais prolongada, de longo fôlego. Sun Tzu disse: “A invencibilidade depende de nós. A vulnerabilidade do rival depende dele”. O capitalismo é débil por natureza, perecerá mais cedo ou mais tarde, a depender de nossa estratégia.

domingo, 6 de fevereiro de 2011

RECADOS DO ORKUT

Recebi essa crônica no ORKUT e adorei. Veríssimo é fantástico mesmo. Esse sabe mto da vida. Vale a pena dividir com vocês.


"Quem é que nunca teve um Marcelo, um Felipe, um Ricardo,
um André ou um Alexandre na vida?

Tudo bem, pode ser uma Juliana, uma Ana, uma Patrícia ou uma Aline...

Paquerar é bom, mas chega uma hora que cansa!

Cansa na hora que você percebe que ter 10 pessoas ao mesmo tempo é o
mesmo $ não ter nenhuma, e ter apenas uma, é o mesmo que possuir 10 ao
mesmo tempo!

A "fila" anda, a coleção de "figurinhas" cresce, a conta de telefone é
sempre altíssima. Mas e ai? O que isso te acrescenta? Nessas horas
sempre surge aquela tradicional perguntinha: Por que aquela pessoa pela
qual você trocaria qualquer programa por um simples filme com pipoca
abraçadinho no sofá da sala não despenca logo na sua vida??? Se o tal
"amor" é impontual e imprevisível que se dane! Não adianta: as pessoas
são impacientes! São e sempre vão ser! Tem gente que diz que não é...
"Eu não sou ansioso, as coisas acontecem quando tem que acontecer."
Mentira!

Por dentro todo ser humano é igual: impaciente, sonhador, iludido...
Jura de pé junto que não,mas vive sempre em busca da famosacara metade!
Pode dar o nome que quiser: amor, alma gêmea, par perfeito, a outra
metade da laranja... No fim dá tudo no mesmo. Pode soar brega, cafona...
Mas é a realidade.

Inclusive o assunto "amor" é sempre cafonérrimo. Acredito que o status
de cafona surgiu porque a grande maioria das pessoas nunca teve a
oportunidade de viver um grande amor. Poucas pessoas experimentaram
nesta vida a sensação de sonhar acordada, de dormir do lado do telefone,
de ter os olhos brilhando, de desfilar com aquele sorriso de borboleta
azul estampado no rosto...

Não lembro se foi o "Wando" ou se foi o "Reginaldo Rossi" que disse em
uma entrevista que se a Marisa Monte não tivesse optado pelo "Amor I
love you" e que se o Caetano não tivesse dito "Tô me sentindo muito
sozinho.." eles não venderiam mais nenhum disco.

Não adianta, o publico gosta e vibra com o "brega".

Não adianta tapar o sol com a peneira. Por mais que você não admita:
você ficou triste porque o Leonardo di Caprio morreu em "Titanic" e
ficou feliz porque a Julia Roberts e o Richard Gere acabaram juntos em
"Uma Linda Mulher"; existe pelo menos uma música sertaneja ou um
"pagodinho" que te deixe com dor de cotovelo; quando você está solteiro e
vê um casal aos beijos e abraços no meio da rua você sente a maior
inveja; você já se pegou escrevendo o seu nome e o da pessoa pela qual
você está apaixonado no espelho embaçado do banheiro, ou num pedacinho
de papel; você já se viu cantando o mantra "Toca telefone toca" em
alguma das sextas-feiras de sua vida, ou qualquer outro dia que seja;
você já enfiou os pés pelas mãos alguma vez na vida e se atirou de
cabeça numa "relação" sem nem perceber que você mal conhecia a outra
pessoa e que com este seu jeito de agir ela te acharia um tremendo
louco; você, assim como nos contos de fada, sonha em escutar um dia o
tal "E foram felizes para sempre"

Bem , preciso continuar?

Ok, acho que não... Negue o quanto quiser, mas sei que já passou por
isso, e se não passou, não sabe o quanto esta perdendo...."O problema de
resistir a uma tentação é que você pode não ter uma segunda chance"

"Falo a língua dos loucos, porque não conheço a mórbida coerência dos
lúcidos."

FERNANDO VERÍSSIMO

terça-feira, 1 de fevereiro de 2011


Certamente minha Belém era outra...

Depois de passar 17 anos morando em Macapá e 5 anos sem voltar a terra que vivi toda minha infância, adolescência e parte da vida adulta, decido reencontrar-me com lugares que marcaram minha vida. Constatei que muitas mudanças ocorreram nessa lacuna de tempo que me distanciei. Acima de tudo na estrutura da Cidade das Mangueiras que mais parece hoje um jardim de pedras gigantes como escadas rumo ao céu: enormes prédios que verticalizam cada dia mais a cidade.



Surpreendentemente, no meio de minha perplexidade e reflexão, me vejo frente a uma catástrofe: o desabamento de um monstro de pedras no meio de São Bráz. As imagens falam por si.
Certamente minha Belém era outra...