Ocorreu um erro neste gadget

sexta-feira, 24 de junho de 2011

Maria Rita - "Último Desejo" (Som Brasil Noel Rosa)

CTB lança cartilha de Defesa do Meio Ambiente



Durante a abertura do I Encontro Nacional de Defesa do Meio Ambiente que ocorre em Brasília durante os dias 15 a 17 de junho, evento promovido pela secretaria de Defesa do Meio Ambiente da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil, CTB, teve a presença de participantes de 12 estados de todas as regiões do país.

Muitos dirigentes sindicalistas também participaram dos seminários, entre eles, representantes do Sintaema/SP, Fetag/RS, Unegro/PR, Fetag/BA, Sindicato dos Metalúrgicos de Jaguariúna/SP, e Sindttema/PR.

A mesa de abertura das solenidades teve a presidência de Ailma Maria, presidenta da CTB/GO, e contou com a presença de Nivaldo Santana, vice-presidente da CTB, Alberto Broch, presidente da Contag, Ricardo Vizentin, representante do Ministério do Meio Ambiente, Joilson Cardoso do Nascimento, Secretário de Política Sindical e Relações Institucionais da CTB e do Deputado Assis Melo.


Os trabalhos do encontro foram coordenados por Maria do Socorro que é secretária de Defesa do Meio Ambiente e Paulo Gady, coordenador da secretaria de Meio Ambiente.

Após a composição da mesa Maria do Socorro abriu o Encontro dizendo sobre sua importância e que o encontro está ligado a Campanha Nacional de “Valorização do Trabalho e Sustentabilidade Socioambiental” e destacou o lançamento da Cartilha de Defesa do Meio Ambiente da CTB.

A cartilha é um instrumento que tem como objetivo fomentar o Debate, os temas abordados na cartilha não é uma posição da CTB, mas a busca para construção de uma plataforma da política de Meio Ambiente da CTB que será constituído com a contribuição dos Encontros Estaduais somado a ações da Secretaria Nacional de Defesa do Meio Ambiente da CTB.

Paulo Gady declarou que o lançamento da Cartilha destaca a importância deste trabalho que foi construído pelo coletivo nacional com apoio da direção nacional da CTB e ressalta a necessidade da contribuição de todos sindicalistas da CTB estaduais e entidades filiadas a CTB na construção desta política de Meio Ambiente.

O presidente da Contag, Alberto Broch, reafirmou a importância do evento em um momento oportuno quanto corre no país o debate do Código Florestal e preparo para Rio + 20 e ressalta a importância da visão dos trabalhadores e trabalhadoras da Agricultura Familiar.

Assis Melo parabeniza a CTB pelo Encontro e por a partir de sua fundação agregar trabalhadores Rurais e Urbanos, parabeniza a Secretaria de Defesa do Meio Ambiente por construir esta ferramenta de debate com objetivo de fortalecer o Projeto Nacional de Desenvolvimento com Sustentabilidade.

Joilson Cardoso fez alusão a Maria do Socorro, o coletivo do Meio Ambiente e de todos os companheiros presentes e relatou que a CTB tem uma onda verde isto a partir de sua fundação e em seu logo tem a preocupação em preservar o meio ambiente isto dentro do projeto de desenvolvimento e da Agenda Nacional da Classe Trabalhadora.

Sergio de Miranda, da Fetag-RS e secretário de política agrícola e agrária da CTB, destacou a importância do debate e do cuidado que se dever ter ao tratar o tema Meio Ambiente não é possível ter uma única legislação para tratar desiguais, o projeto levado pela CTB é o que trouxe as federações a CTB esta luta pela unidade entre a Cidade e o Campo.

O representante do Ministério do Meio Ambiente, Ricardo Vizentin, sugeriu que a Cartilha seja entregue a Ministra pela Secretaria e o Coletivo, afirma que nem o Ministério do Meio Ambiente conseguir construir um documento com esta diversidade de temas e parabeniza a CTB a única Central a se legitimar com dos trabalhadores e trabalhadoras e com a onda verde ou seja mostra a busca pela unidade e somente com a unidade será possível transformações políticas.

Nivaldo Santana propôs que o encontro promovesse uma homenagem um companheiro que lutava pela preservação do Meio Ambiente, extrativista Dino de Rondônia covardemente assassinado no mês passado.

Os debates estão programados para ocorrerem nesta quinta-feira, 16/6, e também na sexta-feira, 17/6, Maria do Socorro ressaltou a importância da discussão e fomenta o debate sobre o tema tão importante nos dias de hoje, o Meio Ambiente.

Em homenagem à São João posto a última música de Noel Rosa p seu grande amor.

Último Desejo
Noel Rosa
Composição: Noel Rosa


Nosso amor que eu não esqueço
E que teve o seu começo
Numa festa de São João

Morre hoje sem foguete
Sem retrato e sem bilhete
Sem luar, sem violão

Perto de você me calo
Tudo penso e nada falo
Tenho medo de chorar

Nunca mais quero o seu beijo
Mas meu último desejo
Você não pode negar

Se alguma pessoa amiga
Pedir que você lhe diga
Se você me quer ou não
Diga que você me adora
Que você lamenta e chora
A nossa separação

Às pessoas que eu detesto
Diga sempre que eu não presto
Que meu lar é o botequim
Que eu arruinei sua vida
Que eu não mereço a comida
Que você pagou pra mim

quarta-feira, 15 de junho de 2011

Ambientalismo precisa de revolução

Táticas têm de ser reinventadas

Há quarenta anos, a Friends of the Earth (FoE) anunciou sua chegada na Grã-Bretanha com um punhado de voluntários despejando 1500 garrafas não retornáveis de bebidas de marca Schweppes na entrada da sede da companhia, exigindo que governo e indústria estabelecessem uma rede nacional de reciclagem. A mídia surtou e o fato virou manchete em todos os jornais e noticiários de TV. Era o choque do novo, lembra o Guardian. Tente o mesmo truque hoje e conseguirá atrair a atenção de apenas alguns transeuntes. A mídia está saturada de protestos. Quem faz notícia é a revolução no Oriente Médio, não as manifestações no centro de Londres.

O movimento ambiental no país se tornou uma coisa gigantesca. Organizações como FoE, Greenpeace, RSPB and WWF tem milhões de sócios, empregam milhares de pessoas em escritórios modernos e gastam 100 milhões de libras por ano. Trabalham duro em temas como ambiente e desenvolvimento, publicam websites recheados de informações, e fazem o tempo todo lobby junto ao governo e empresas para a adoção da economia verde e da sustentabilidade.

Mas, taticamente, o movimento emperrou. Apesar de numerosas campanhas de sucesso em muitos anos, os problemas mais sérios - mudança do clima, desflorestamento, degradação dos oceanos, contaminação química, extinção de espécies - continuam piorando. O compromisso com a causa não é suficiente. Agora, a excitação dos primeiros dias do movimento vem do florescimento de redes de ativistas de todos os tipos e profissões, compromissados com ação pacífica dirigida. Tiveram efeito nas campanha contra plantas geneticamente modificadas nos anos 1990, e o lobby se tornou mais fácil, com grupos como Avaaz e 38 Degrees usando a web a custos baixos para mobilizar dezenhas de milhares de simpatizantes a mandar e-mails para políticos. O desafio das ONGs estabelecidas de fazer uma diferença significativa é maior e mais difícil que nunca.

Nas décadas seguintes aos anos 1970, as táticas de protesto foram utilizadas inúmeras vezes, e em muitas delas com êxito. Foram aumentadas por novas iniciativas, como queixas formais junto à União Européia sobre práticas de governos e empresas e coalizações de um amplo espectro de ONGs, sindicatos e organizações sociais. Mas, nas recessões do começo dos anos 1980 e 1990, o movimento perdeu grande parte de seu fôlego. Nas duas ocasiões, os movimentos tiveram de se repensar e se reorganizar. Recentemente, os ativistas passaram a enfrentar novos problemas. O governo e a polícia usam a justica e leis anti-terrotismo para desencorajar protestos públicos e processar militantes. As corporações empregam legiões de empresas de relações públicas para manter militantes à distância, e apóiam negacionistas do clima e otimistas do mercado livre para turvar as águas da opinião pública.

É necessário algo muito mais poderoso e proativo para persuadir a maioria a mudar de curso, antes que seja tarde demais. Algo que levante uma força social à altura (mas pacificamente) das revoluções de cidadãos que estão derrubando a ordem estabelecida no Oriente Médio. O movimento tem os recursos para fazer isto. Mas tem as idéias e a vontade?



Foto: Climate Change Media Partnership/Creative Comons

sexta-feira, 10 de junho de 2011

Ter ou não ter namorado, eis a questão

Ter ou não ter namorado, eis a questão




Quem não tem namorado é alguém que tirou férias não remuneradas de si mesmo. Namorado é a mais difícil das conquistas. Difícil porque namorado de verdade é muito raro. Necessita de adivinhação, de pele, saliva, lágrima, nuvem, quindim, brisa ou filosofia. Paquera, gabira, flerte, caso, transa, envolvimento, até paixão é fácil. Mas namorado mesmo é muito difícil.

Namorado não precisa ser o mais bonito, mas ser aquele a quem se quer proteger e quando se chega ao lado dele a gente treme, sua frio, e quase desmaia pedindo proteção. A proteção dele não precisa ser parruda ou bandoleira: basta um olhar de compreensão ou mesmo de aflição.

Quem não tem namorado não é quem não tem amor: é quem não sabe o gosto de namorar. Se você tem três pretendentes, dois paqueras, um envolvimento, dois amantes e um esposo; mesmo assim pode não ter nenhum namorado. Não tem namorado quem não sabe o gosto da chuva, cinema, sessão das duas, medo do pai, sanduíche da padaria ou drible no trabalho.

Não tem namorado quem transa sem carinho, quem se acaricia sem vontade de virar lagartixa e quem ama sem alegria.

Não tem namorado quem faz pactos de amor apenas com a infelicidade. Namorar é fazer pactos com a felicidade, ainda que rápida, escondida, fugidia ou impossível de curar.

Não tem namorado quem não sabe dar o valor de mãos dadas, de carinho escondido na hora que passa o filme, da flor catada no muro e entregue de repente, de poesia de Fernando Pessoa, Vinícius de Moraes ou Chico Buarque, lida bem devagar, de gargalhada quando fala junto ou descobre a meia rasgada, de ânsia enorme de viajar junto para a Escócia, ou mesmo de metrô, bonde, nuvem, cavalo, tapete mágico ou foguete interplanetário.

Não tem namorado quem não gosta de dormir, fazer sesta abraçado, fazer compra junto. Não tem namorado quem não gosta de falar do próprio amor nem de ficar horas e horas olhando o mistério do outro dentro dos olhos dele; abobalhados de alegria pela lucidez do amor.

Não tem namorado quem não redescobre a criança e a do amado e vai com ela a parques, fliperamas, beira d'água, show do Milton Nascimento, bosques enluarados, ruas de sonhos ou musical da Metro.

Não tem namorado quem não tem música secreta com ele, quem não dedica livros, quem não recorta artigos, quem não se chateia com o fato de seu bem ser paquerado. Não tem namorado quem ama sem gostar; quem gosta sem curtir quem curte sem aprofundar. Não tem namorado quem nunca sentiu o gosto de ser lembrado de repente no fim de semana, na madrugada ou meio-dia do dia de sol em plena praia cheia de rivais.

Não tem namorado quem ama sem se dedicar, quem namora sem brincar, quem vive cheio de obrigações; quem faz sexo sem esperar o outro ir junto com ele.

Não tem namorado que confunde solidão com ficar sozinho e em paz. Não tem namorado quem não fala sozinho, não ri de si mesmo e quem tem medo de ser afetivo.

Se você não tem namorado porque não descobriu que o amor é alegre e você vive pesando 200Kg de grilos e de medos. Ponha a saia mais leve, aquela de chita, e passeie de mãos dadas com o ar. Enfeite-se com margaridas e ternuras e escove a alma com leves fricções de esperança. De alma escovada e coração estouvado, saia do quintal de si mesma e descubra o próprio jardim.

Acorde com gosto de caqui e sorria lírios para quem passe debaixo de sua janela. Ponha intenção de quermesse em seus olhos e beba licor de contos de fada. Ande como se o chão estivesse repleto de sons de flauta e do céu descesse uma névoa de borboletas, cada qual trazendo uma pérola falante a dizer frases sutis e palavras de galanteio.

Se você não tem namorado é porque não enlouqueceu aquele pouquinho necessário para fazer a vida parar e, de repente, parecer que faz sentido.

Artur da Távola

quarta-feira, 8 de junho de 2011

Educação: maior qualidade de ensino e fiscalização das verbas!

Vivina do C. Rios Balbino
Psicóloga, mestre em educação, professora da Universidade Federal do Ceará e autora do livro Psicologia e Psicologia Escolar no Brasil. O presente artigo foi publicado no jornal Correio Braziliense do dia 16 de maio

O Brasil investe cada vez na educação, fator maior de inclusão social e desenvolvimento. Erradicando o analfabetismo e cumprindo a lei, hoje já temos 98% das crianças matriculadas na faixa de 4 a 14 anos. Há grande acesso, mas ainda falta qualidade de ensino e boas políticas públicas para reter os alunos na escola. A evasão é muito grande, e o ensino fundamental, ineficiente. No projeto Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb), o governo já repassou R$17,1 bilhões a governos estaduais e municipais desde a criação do projeto em 2007. Sem fiscalização rigorosa, ocorrem inúmeras irregularidades, que vão desde licitações fraudulentas e apresentação de notas frias até o desvio de dinheiro.

Na educação básica, a meta ainda é acabar com o analfabetismo e aumentar a qualidade de ensino. A aplicação recente do importante piso nacional salarial do professor em R$ 1.187 dignifica a profissão do educador brasileiro. O teto salarial ainda é baixo comparado a outras profissões, mas com certeza dará maior incentivo e poderio aos profissionais. Apesar dos esforços, o Brasil é a sétima potência econômica, mas ocupa ainda a 53ª posição na área de educação, ficando atrás de alguns países latino-americanos, como o Chile. Além disso, os desvios de verbas públicas e corrupção na execução dos projetos educacionais envergonham o país.

Segundo a Controladoria-Geral da União (CGU), o repasse de verbas para a educação e saúde representou 30,16% do total em 2010 e 62% das operações em parceria com a Polícia Federal. Escândalos recentes com bolsas do Programa Universidade para Todos (Prouni) e desvios de merenda escolar são inadmissíveis. A merenda escolar receberá R$ 3 bilhões em 2011, isso precisa ser fiscalizado. Mais de 4 mil alunos já foram expulsos do Prouni. A isenção de impostos das faculdades passa por revisões, assim como repasse automático.

O gasto com educação no Brasil está próximo dos padrões internacionais. Segundo Barbosa Filho e Pessoa, o Brasil não investe pouco em educação. O Brasil gasta anualmente 5,2% do Produto Interno Bruto (PIB), face a 5,7% do PIB aplicados, em média, pelos países da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). O dispêndio brasileiro é maior que o do Japão (4,9% do PIB). O Brasil investe R$ 1,9 mil por ano em cada estudante do ensino fundamental e R$ 13 mil em cada estudante de ensino superior. Em sete anos, o número de matrículas na educação superior brasileira aumentou de 3,5 milhões para 5,9 milhões. As universidades investem em ensino, pesquisa e extensão.

Mas quais são os grandes impactos de pesquisas e grandes projetos socialmente importantes das universidades? O etanol é um exemplo. Temos uma rede pública de ensino superior excepcional e, com certeza é fundamental que ocorram grandes retornos sociais para a melhoria da qualidade de vida dos brasileiros. Apesar dos grandes investimentos, infelizmente no último censo Times Higher Education, nenhuma universidade brasileira foi incluída entre as 100 melhores do mundo.

Com o recente Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e ao Emprego (Pronatec), o governo promete investir R$ 1 bilhão - R$ 700 milhões para bolsas de estudo e R$ 300 milhões para financiamento estudantil - e e criar mais 200 escolas técnicas até 2014. O governo espera reduzir um problema crônico para o crescimento dos serviços e da indústria nacional: a falta de mão de obra qualificada. Projeto ambicioso, que poderá contribuir para o emprego e inclusão de milhões de brasileiros, mas precisa ter gestão eficaz do gasto público empregado e capacitação de qualidade.

O Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), responsável pelos programas do livro didático, repõe 16% das publicações (cerca de 87 milhões em reposição de livros didáticos) para serem distribuídas a alunos do ensino fundamental e médio de escolas públicas do país. Para aprimorar o projeto, é necessário que haja vigilância rigorosa e permanente da Controladoria-Geral da União, dos tribunais de contas, dos ministérios públicos, da Polícia Federal e do próprio Ministério da Educação de modo a fiscalizar e punir com rigor os desvios de dinheiro público na educação brasileira.

sábado, 4 de junho de 2011

GEA denuncia tentativa de extorsão na SEED

“Estou consciente de q embora incompreendida por uns,a coragem q demonstrei hj serve p/reafirmar q nem tudo esta perdido.”
A frase é da secretária de Estado da Educação Miriam Corrêa, no Twitter, no começo da madrugada de hoje, cinco horas após o Governo do Estado, através da Procuradoria Geral, ter protocolado uma notícia crime na Polícia Federal acusando a empresa LMS – que desde o governo passado tem um contrato de vigilância com a Seed – de tentativa de extorsão.

A LMS teria filmado o marido da secretária recebendo propina para facilitar a renovação do contrato da empresa com a Seed que vence em setembro. A LMS também teria filmado uma conversa entre um dos sócios da empresa e o chefe do Núcleo de Administração da Seed, na casa do primeiro.

De acordo com o governo, na quinta-feira o advogado e um dos diretores da empresa estiveram na Seed tratando sobre um pedido de prorrogação do contrato. Na ocasião disseram ao chefe do Núcleo de Administração que o contrato teria que ser mantido a qualquer custo e exibiram para o servidor público os dois vídeos dizendo que se o contrato não fosse mantido os vídeos seriam divulgados na imprensa.

No mesmo dia Miriam Corrêa recebeu no seu celular a mensagem: “Tenho um vídeo que compromete seu marido com propina da vigilância, gostaria de ouvi-la antes de colocar no ar”. Segundo o governo a origem da mensagem é o celular 9119-3565. A secretária sentiu cheiro de jabá nessa mensagem. Pode ser que o “jornalista” quisesse realmente gravar uma entrevista com ela, mas pode ser também que ele quisesse extorqui-la para não divulgar o vídeo. O comportamento do jornalista em questão deixa dúvidas, uma vez que o normal, corriqueiro e mais correto é que, em vez de enviar mensagens por celular, o jornalista interessado na entrevista vá direto ao gabinete ou faça contato com a assessoria de comunicação para marcar entrevista.

Miriam Corrêa comunicou o fato à Procuradoria Geral do Estado e pediu providências. Ontem, por volta das 19h, a Procuradoria protocolou na Polícia Federal a notícia crime pugnando pela abertura de inquérito policial e solicitando a oitiva da secretária Miriam Corrêa, do chefe do Núcleo de Admnistração da Seed e do diretor e do advogado da LMS que estiveram na Seed.

Outro lado
O blog tentou ouvir o dono da LMS, empresário Luciano Marba, mas não conseguiu contatactá-lo. Informações que chegaram ao blog dão conta de que Marba semana passada teria demonstrado a intenção de entregar os vídeos ao governador Camilo Capiberibe. Não se sabe se entregou ou não. Há também informações de que Marba estaria disposto a entregar os vídeos originais para a Polícia Federal.

ALCILENE CAVALVANTE

quarta-feira, 1 de junho de 2011

CTB promove 1º Encontro Nacional de Defesa do Meio Ambiente

CTB promove 1º Encontro Nacional de Defesa do Meio Ambiente

CTB promove 1º Encontro Nacional de Defesa do Meio Ambiente

A Secretaria de Defesa do Meio Ambiente da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), promove seu 1º Encontro Nacional de Defesa do meio Ambiente sob o tema “ Desenvolvimento com Valorização do Trabalho e Sustentabilidade Socioambiental”. O evento ocorrerá nos dias 15,16 e 17 de junho de 2011 em Brasília.

O Encontro de caráter nacional terá a participação de lideranças e dirigentes sindicais representantes de associações e instituições filiadas a CTB, além de contar com a participação de convidados representando os movimentos sociais e ambientalistas.

Conforme o Coletivo Nacional de Defesa do Meio Ambiente o encontro tem como objetivo aprofundar o entendimento sobre os reflexos prático, na preservação dos recursos naturais, do Projeto Nacional de Desenvolvimento que defendemos para a nação, extraindo deste debate um entendimento coletivo que será o embrião da política ambiental da Central.

A partir dessa ação sindical poderemos intensificar os processos de luta pelo desenvolvimento com Sustentabilidade Socioambiental.

O encontro debaterá três eixos principais : “Desenvolvimento com Valorização do Trabalho e Sustentabilidade Socioambiental”, Os pilares do Desenvolvimento com Sustentabilidade Socioambiental” e “ Desafios a serem enfrentados para se ter Desenvolvimento com Sustentabilidade Socioambiental”.

Tema: “Desenvolvimento com Valorização do Trabalho e Sustentabilidade Socioambiental”

Data: 15,16 e 17 de Junho de 2011

Local: sede da CONTAG, localizada no SMPW Quadra 01 – Conjunto 02 – Lote 02 – Núcleo dos Bandeirantes/DF – Brasília.

Mais informações: (11) 3106-0700 ou katiajackson@portalctb.org.br

Programação

Estrutura do I Encontro Nacional de Defesa do Meio Ambiente

Dia 15 de Junho - Quarta – feira

18h00 Abertura Solene - Saudação de lideranças e organizações convidadas.

19h00 Conferência I - “Desenvolvimento com sustentabilidade Socioambiental.”

______________________________________________________________________

Dia – 16 de Junho - Quinta - feira

8h30 Conferência II - “Os pilares do Desenvolvimento com Sustentabilidade Socioambiental.”

10h30 Debate

12h30 Almoço

14h00 Conferência III “Desafios a serem enfrentados para se ter Desenvolvimento com Sustentabilidade Socioambiental.”

15h30 – Debate

16h30 Trabalho em Grupo -Tema Geral - Desenvolvimento com Sustentabilidade Socioambiental com sub-temas.

I – Meio Ambiente e Controle Social – Meio Ambiente e Saúde do Trabalhador e Trabalhadoras (Orientador Pinhé)

II – Água e o Sistema Nacional de Recursos Hídricos – O Plano Nacional de Recursos Hídricos – Saneamento ambiental (Orientadora Laura)

III – Sociedade de consumo e geração de resíduos – Planejamento Urbano (Orientador Paulo Gady)

IV – Mudanças Climáticas – Energias Renováveis e não renováveil (Orientador Ailton)

V – Transgênicos – Agroecologia (Orientador Alexandre)

VI – Mineração - Amazônia - Florestas e Biodiversidades (Orientador Marco Eliel)

18h00 Encerramento das atividades do dia.

19h00 Confraternização- Atividade Cultural

_____________________________________________________________________

Dia - 17 de junho - Plenária Final

9h00 Resultado dos trabalhos em grupo e Aprovar proposta mínima de política de Meio Ambiente para CTB.

17h00 Encerramento das atividades

Secretaria de Defesa do Meio Ambiente

Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil - CTB