Ocorreu um erro neste gadget

quarta-feira, 30 de março de 2011

Dilma lança programa para gestantes e bebês e diz que desigualdade é maior na área de saúde

Ao lançar um programa de atenção às gestantes e aos bebês, o Rede Cegonha, a presidenta Dilma Rousseff afirmou que é na área de saúde que a desigualdade social é mais “perversa”. Dilma lembrou o compromisso que assumiu durante a campanha eleitoral de melhorar o atendimento público de saúde no país.

“Não vamos compactuar com a miséria e a pobreza, não tem um lugar onde a desigualdade é mais perversa do que na área de saúde”, disse em cerimônia em Belo Horizonte.
A presidenta lembrou que durante a campanha eleitoral assumiu o compromisso de melhorar o Sistema Único de Saúde (SUS). “Temos que fazer nesse quatro anos um enorme esforço para continuar ampliando o acesso à saúde e transformar o SUS em um sistema de alta qualidade que assuma responsabilidades diante de cada brasileiro. É um desafio e estamos aqui para enfrentar desafios”, afirmou.
O Rede Cegonha tem investimentos previstos de R$ 9 bilhões até 2014 para ampliar a rede de assistências às gestantes e aos bebês na busca de reduzir a mortalidade infantil e materna. Ligada ao SUS, a Rede Cegonha trabalhará em conjunto com os estados e municípios.
Com o programa, as unidades de saúde receberão recursos para fazer teste rápido de gravidez. A futura mãe terá vale-transporte para comparecer a todas a consultas pré-natal e exames. Aquelas que comparecerem integralmente terão direito a um vale-táxi para ir para a maternidade.
O programa busca também ampliar de quatro para seis o número de consultas recomendadas às gestantes. Atualmente, quase 90% das mulheres brasileiras fazem as quatro consultas recomendadas pela Organização Mundial da Saúde.
O SUS recomenda 20 tipos de exames às gestantes. Com o Rede Cegonha, além desses exames, a intenção é que cem por cento delas façam ultrassom. Se tiver uma gravidez de risco, mais nove tipos de exames complementares poderão ser pedidos.
O Rede Cegonha vai possibilitar que a gestante conheça previamente a maternidade onde terá o bebê e tenha direito a um acompanhante durante a internação.
Serão ainda criadas as casas da gestante e do bebê ligadas às maternidades de alto risco. A mulher poderá ficar nesses locais antes e depois do parto, caso precise de observação, mas não tenha indicação de ficar internada.
Em relação à criança, a Rede Cegonha vai atuar nos dois primeiros anos de vida e prevê também campanhas de aleitamento materno e de incentivo ao parto normal.
O cronograma de implantação das ações dá prioridade às regiões da Amazônia Legal e ao Nordeste, que têm os mais altos índices de mortalidade materna e infantil, e às regiões metropolitanas, que concentram maior número de gestantes.

Fonte: Agência Brasil

segunda-feira, 28 de março de 2011

Extra, Extra!!! Em eleição conturbada, Rui Valdo é escolhido novo presidente da entidade



Com mais de 300 professores presentes, assembleia que acatou com decisão judicial de quinta-feira (24) reafirmou decisão tomada pela vitória do sindicalista

Se nenhuma nova decisão judicial determinar o contrário, Rui Valdo Coutinho comandará o Sindicato dos Servidores Públicos em Educação no Amapá (Sinsepeap) até as próximas eleições, marcadas para 1º de julho deste ano. A escolha do novo presidente – em razão do afastamento do ex, Aildo Silva – ocorreu na manhã de sábado (26), em conturbada assembleia geral da entidade.
A eleição de sábado foi a segunda feita na semana, já que a primeira – onde Valdo também tinha sido o escolhido – teve resultado anulado por uma decisão judicial expedida na quinta-feira (24), minutos após o pleito. A ação foi movida judicialmente por aliados do presidente afastado, que está fora do cargo por ação judicial do Ministério do Trabalho sob acusação de desvio de verbas da entidade.
Cerca de 300 filiados estiveram presentes na nova eleição e após diversas discussões e tumulto por parte dos participantes, estes reafirmaram a decisão tomada anteriormente. Após a votação, os candidatos Rui Valdo Coutinho, Maria Noia e Rildo Frederico foram eleitos presidente, vice-presidente e diretor financeiro, respectivamente, para o mandato que encerra no dia 30 de junho. Com mais da metade dos votos, o presidente eleito, que concorreu com os candidatos Laércio e Raimundo Rosa, destacou que irá garantir melhorias para a categoria.
“Cumprimos a decisão judicial e realizamos essa nova assembleia para definitivamente escolher a equipe que vai conduzir o Sinsepeap nos próximos três meses. Vamos dar prosseguimento ao trabalho e sanear a entidade financeiramente para que possa passar para a nova diretoria um sindicato mais organizado. Até lá, pretendemos resolver todas as questões internas”, disse. Até às 15hs de sábado, a entidade não recebeu nenhuma ação judicial com pedido de anulação do pleito.
“A própria Justiça garantiu que essa decisão deveria ser tomada hoje (sábado). Essa é a assembleia legítima para que fosse realizada a eleição. Com isso, o que a maioria decidiu, certamente será cumprido”, avaliou Rui Valdo.
Suposto desvio de verbas
Conforme denúncias feitas ao Ministério do Trabalho por diretores da entidade, Aildo Silva não presta contas para a categoria desde 2008, além de ter pagado o valor total da obra de construção da sede social do Sinsepeap, que está com apenas 30% da edificação realizada. O prédio está abandonado e o valor retirado do orçamento do sindicato foi mais de R$ 3 milhões.
Outra acusação é em relação ao muro da sede campestre da entidade, onde foram desviados mais de R$ 2 milhões. O atual presidente já tinha sido afastado em assembleia geral, porém, este se recusou a sair do cargo. Na eleição de sábado, ao contrário do que foi especulado, ele não compareceu ao local de votação.

Âmbito político
Analistas políticos avaliam que por trás desta eleição do Sinsepeap – o que pode se repetir em julho – há uma movimentação política com passos articulados para o pleito municipal em 2012, já que a entidade é considerada uma grande força de influência dentro da categoria. Quem tiver o apoio do Sinsepeap terá uma vantagem significativa na corrida pela prefeitura de Macapa.


domingo, 27 de março de 2011

Bethânia CAETANO VELOSO

O GLOBO - 27/03/11



Não concebo por que o cara que aparece no YouTube ameaçando explodir o Ministério da Cultura com dinamite não é punido. O que há afinal? Será que consideram a corja que se "expressa" na internet uma tribo indígena? Inimputável? E cadê a Abin, a PF, o MP? O MinC não é protegido contra ameaças? Podem dizer que espero punição porque o idiota xinga minha irmã. Pode ser. Mas o que me move é da natureza do que me fez reagir à ridícula campanha contra Chico ter ganho o prêmio de Livro do Ano. Aliás, a "Veja" (não, Reinaldo, não danço com você nem morta!) aderiu ao linchamento de Bethânia com a mesma gana. E olha que o André Petry, quando tentou me convencer a dar uma entrevista às páginas amarelas da revista marrom, me assegurou que os então novos diretores da publicação tinham decidido que esta não faria mais "jornalismo com o fígado" (era essa a autoimagem de seus colegas lá dentro). Exigi responder por escrito e com direito a rever o texto final. Petry aceitou (e me disse que seus novos chefes tinham aceito). Terminei não dando entrevista nenhuma, pois a revista (achando um modo de me dizer um "não" que Petry não me dissera - e mostrando que queria continuar a "fazer jornalismo com o fígado") logo publicou ofensa contra Zé Miguel, usando palavras minhas.
A histeria contra Chico me levou a ler o romance de Edney Silvestre (que teria sido injustiçado pela premiação de "Leite derramado"). Silvestre é simpático, mas, sinceramente, o livro não tem condições sequer de se comparar a qualquer dos romances de Chico: vi o quão suspeita era a gritaria, até nesse pormenor. Igualmente suspeito é o modo como "Folha", "Veja" e uma horda de internautas fingem ver o caso do blog de Bethânia. O que me vem à mente, em ambas as situações, é a desaforada frase obra-prima de Nietzsche: "É preciso defender os fortes contra os fracos." Bethânia e Chico não foram alvejados por sua inépcia, mas por sua capacidade criativa.
A "Folha" disparou, maliciosamente, o caso. E o tratou com mais malícia do que se esperaria de um jornal que - embora seu dono e editor tenha dito à revista "Imprensa", faz décadas, que seu modelo era a "Veja" - se vende como isento e aberto ao debate em nome do esclarecimento geral. A "Veja" logo pôs que Bethânia tinha ganho R$1,3 milhão quando sabe-se que a equipe que a aconselhou a estender à internet o trabalho que vem fazendo apenas conseguiu aprovação do MinC para tentar captar, tendo esse valor como teto. Os editores da revista e do jornal sabem que estão enganando os leitores. E estimulando os internautas a darem vazão à mescla de rancor, ignorância e vontade de aparecer que domina grande parte dos que vivem grudados à rede. Rede, aliás, que Bethânia mal conhece, não tendo o hábito de navegar na web, nem sequer sentindo-se atraída por ela.
Os planos de Bethânia incluíam chegar a escolas públicas e dizer poemas em favelas e periferias das cidades brasileiras. Aceitou o convite feito por Hermano como uma ampliação desse trabalho. De repente vemos o Ricardo Noblat correr em auxílio de Mônica Bergamo, sua íntima parceira extracurricular de longa data. Também tenho fígado. Certos jornalistas precisam sentir na pele os danos que causam com suas leviandades. Toda a grita veio com o corinho que repete o epíteto "máfia do dendê", expressão cunhada por um tal Tognolli, que escreveu o livro de Lobão, pois este é incapaz de redigir (não é todo cantor de rádio que escreve um "Verdade tropical"). Pensam o quê? Que eu vou ser discreto e sóbrio? Não. Comigo não, violão.
O projeto que envolve o nome de Bethânia (que consistiria numa série de 365 filmes curtos com ela declamando muito do que há de bom na poesia de língua portuguesa, dirigidos por Andrucha Waddington), recebeu permissão para captar menos do que os futuros projetos de Marisa Monte, Zizi Possi, Erasmo Carlos ou Maria Rita. Isso para só falar de nomes conhecidos. Há muitos que desconheço e que podem captar altíssimo. O filho do Noblat, da banda Trampa, conseguiu R$954 mil. No audiovisual há muitos outros que foram liberados para captar mais. Aqui o link: http://www.cultura. gov. br/site/wp-content/up loads/2011/02/Resultado-CNIC-184%C2%AA.pdf. Por que escolher Bethânia para bode expiatório? Por que, dentre todos os nossos colegas (autorizados ou não a captar o que quer que seja), ninguém levanta a voz para defendê-la veementemente? Não há coragem? Não há capacidade de indignação? Será que no Brasil só há arremedo de indignação udenista? Maria Bethânia tem sido honrada em sua vida pública. Não há nada que justifique a apressada acusação de interesses escusos lançada contra ela. Só o misto de ressentimento, demagogia e racismo contra baianos (medo da Bahia?) explica a afoiteza. Houve o artigo claro de Hermano Vianna aqui neste espaço. Houve a reportagem equilibrada de Mauro Ventura. Todos sabem que Bethânia não levou R$1,3 milhão. Todos sabem que ela tampouco tem a função de propor reformas à Lei Rouanet. A discussão necessária sobre esse assunto deve seguir. Para isso, é preciso começar por não querer destruir, como o Brasil ainda está viciado em fazer, os criadores que mais contribuem para o seu crescimento. Se pensavam que eu ia calar sobre isso, se enganaram redondamente. Nunca pedi nada a ninguém. Como disse Dona Ivone Lara (em canção feita para Bethânia e seus irmãos baianos): "Foram me chamar, eu estou aqui, o que é que há?"


Postado por MURILO às 07:56

sábado, 26 de março de 2011

A História das Coisas - Dublado Parte 1

Uma interessante forma de entender nosso relacionamento com o meio ambiente e o impacto causado por essa relação.


quinta-feira, 24 de março de 2011

Cássio e João Capiberibe senadores: Venceu a democracia!


QUI

24.03
Cássio e João Capiberibe senadores: Venceu a democracia!




Não foi à toa que uma geração inteira lutou pela democracia entre as décadas de 60 e 80. Muitos, até suas vidas perderam nos porões da ditadura militar para garantir hoje o direito de escolher nossos representantes pelo voto livre e direto. O Supremo Tribunal Federal corrigiu uma atrocidade que estava a cometer contra a nossa Constituição Federal, aprovada na Nova República, e sabiamente invalidou a lei da Ficha Limpa para o pleito de 2010; deferindo a candidatura de dois líderes políticos: Cássio Cunha Lima e João Capiberibe. Venceu a democracia.

Um falso clamor popular, combinado com a imprensa sensacionalista, quis induzir a Justiça brasileira ao erro. Como dizer que o Ficha Limpa é uma iniciativa popular se menos de 2% da população assinou este projeto? E sem qualquer tipo de debate mais amplo, que pudesse discutir princípios fundamentais como a irretroatividade da lei e a anualidade de novas regras que alterem o processo eleitoral. Está lá, na Constituição, toda e qualquer lei que altere as regras do jogo eleitoral não podem vigorar como menos de um ano após sua aprovação.

Não sou contra o Ficha Limpa, muito pelo contrário, sou totalmente a favor. Mas com respeito ao Estado democrático de direito. Fazendo valer a Constituição e o direito daqueles que já cumpriram suas punições impostas pela lei. Punições estas, muitas vezes injustas, como no caso de Cássio Cunha Lima, que foi cassado por ter criado um projeto assistencialista parecido com o Bolsa-família.

E João Capiberipe, vocês sabem o motivo da sua cassação? Foi cassado por ter - supostamente - comprado dois votos ao preço de 26 reais, nas eleições de 2002. Mas na realidade, Capiberibe foi cassado pelo esquema do todo poderoso José Sarney. Enquanto governador do Amapá, João Capiberibe teve a coragem de se insurgir contra o todo poderoso, que queria fazer do governo do Amapá mais um quintal da sua casa, como fez e faz com o pobre e miserável Estado do Maranhão. Leiam o livro Honoráveis Bandidos, de Palmério Dória, e entenderão a influência que o senhor Sarney possui.

A aplicação da Lei da Ficha Limpa para 2010 traria uma insegurança jurídica inimaginável, pois todo e qualquer cidadão poderia ficar refém da retroação de uma lei. Estaríamos voltando ao tempo dos generais, onde a Constituição era desrespeitada com o pretexto de salvaguardar a nação do perigo da subversão comunista. Caso o Ficha Limpa fosse aprovado, não teríamos mais seguranças nas regras do jogo eleitoral, que seria reformulado ao critério de quem está no poder, servindo apenas como instrumento de manutenção do mesmo.

Ganhou a democracia. Ganhou a Paraíba.

Senador menstruação

O paraibano é muito criativo mesmo. Minutos depois de Wilson Santiago ser defenestrado do Senado, surgiu a seguinte piada: Wilson Santiago acaba de criar a figura do Senador Menstruação: chega em hora errada, demora pouco, incomoda, mas vai embora.

Cássio pode chutar o balde

Será que Cássio vai usar a tribuna do Senado para desmistificar os reais motivos de sua cassação e mostrar o que sabe sobre a nossa Justiça? É preciso coragem.

Uma nova conjuntura

Não é só o Senado que vai mudar. O governo Ricardo sentirá os efeitos da posse de Cássio e terá que ajustar a relação existente hoje entre cassistas e ricadistas. Cássio é o único senador que apóia Ricardo e deverá cobrar um tratamento melhor para o seu grupo. Enquanto os cassistas seguem descontentes, maranhistas são nomeados.

Romero prefeito

O clamor popular que começava a se criar em torno da candidatura de Diogo Cunha Lima não existe mais. Cássio agora é senador. Resta a Romero saber pavimentar a sua candidatura e continuar apresentando bons projetos na Câmara. Coisa que ele sabe fazer.

Instituto Opinião

A Paraíba evoluiu muito nas campanhas eleitorais, principalmente as agências de comunicação, como a Mix e a Antares. Mas não para por aí. O ramo de pesquisa de opinião conta hoje com um instituto muito sério e competente, trata-se do Instituto Opinião Pesquisas Sociais. Como fazer campanha eleitoral sem pesquisa é navegar sem bússola, fica aí a dica para os candidatos de 2012.

PMDB sem moral

Fico observando as declarações do presidente estadual do PMDB, e chego à conclusão de que o senhor Antonio Sousa não tem moral alguma perante seus filiados. Quanto mais ele fala em punição aos adesistas, mais os parlamentares aderem a Ricardo Coutinho. Era melhor ele dizer: vão! Para ver se acontecia o contrário.

Clã Cunha Lima

Quem acha que Diogo Cunha Lima é o melhor nome para dar continuidade e renovar o maior grupo político da Paraíba está enganado. Bruno Cunha Lima, sobrinho de Cássio, deve ser o principal representante dessa nova geração já nas eleições de 2012. Quem conhece a teoria de Maquiavel, sabe que Bruno não quer depender apenas da “fortuna”, mas também da “virtú”. A prova disso é que o jovem participa do movimento estudantil, melhor escola para políticos.

Na Oposição

Um grande comunicador e colunista da Paraíba foi indagado por um membro do ricardismo:

– Você saber fazer oposição?

– Não.

– Então aprenda!


Alan Kardec

Especialista em marketing politico & propaganda eleitoral pela USP e bacharel em comunicação social pela UFPB.

segunda-feira, 21 de março de 2011

Justiça do Trabalho afasta o presidente do SINSEPEAP.

Após muitas denúncias de desmandos com a responsabilidade de prestar contas com o dinheiro dos assossiados do SINSEPEAP e com a sociedade civil, finalmente o presidente do sindicato dos professores foi afastado por decisão judicial na justiça do trabalho. Assume a partir de agora uma comissão que deverá ser eleita em assembléia da classe sindicalizada. Esclarece-se que a eleição pro citado sindicato será provavelmente no mês de junho próximo. Estamos na torcida que a próxima diretoria tenha mais responsabilidade e compromisso com a categoria que tem se comprometido com o melhor e mais importante atividade pro desenvolvimento do Amapá: Educação com Qualidade.

sexta-feira, 18 de março de 2011

CTB/CE realiza seminário sobre desenvolvimento e valorização da mulher trabalhadora

Para relembrar: no dia 8 de março de 1857, 129 tecelãs da fábrica de tecidos Cotton, em Nova Iorque, decidiram paralisar seus trabalhos reivindicando o direito à jornada de 10 horas. Essa é a data da primeira greve norte-americana conduzida somente por mu

Apesar de a data ser marcada como o dia oficial de luta das mulheres, desde a Idade Média as mulheres são queimadas vivas nas fogueiras acesas pela exclusão, pobreza, intolerância, machismo, racismo, homofobia, assédio moral, institucional e tantas outras formas de opressão.


Apesar das conquistas ao logo destes anos, como o direito ao voto por exemplo, as mulheres continuam enfrentado dificuldades e buscando meios para superá-las. Hojeas mulheres votam mas continuam com o salário menor que os dos homens. É o preço alto que ainda pagam no mundo capitalista por ser mulher.


Para refletir a realidade da mulher no país, a CTB em parceria com entidades filiadas realizam nesta sexta-feira (13) o seminário sobre “Desenvolvimento com Valorização da Mulher Trabalhadora” que acontece no Centro de Referencia e Saúde do Trabalhador do Estado do Ceará – CEREST. O encontro contará com a participação de Abgail Pereira, secretaria de mulheres da CTB nacional.


quinta-feira, 17 de março de 2011

Presidenta: não se mexe em direito do trabalhador


PIB vai crescer entre 4,5% e 5%

A Presidenta deu excelente entrevista a Claudia Safatle, no Valor, nas págs. A6 e A7:

Naquele estilo dela: claro, pão-pão-queijo-queijo.

E define um programa de Governo que entusiasma.

A herdeira do Nunca Dantes vai imprimir a sua marca.

Eis um resumo.

- O que separa o Brasil do resto do mundo é que o Brasil tem água.

(O FHC diz que “aqui venta muito”)

- O Brasil tem na energia uma diferença estratégica e competitiva.

- Pré-sal é para exportar – agregar.

- Ela quer matriz energética limpa.

- Ela não brinca com inflação: o objetivo é a meta de 4,5%.

- O Brasil vai crescer este ano entre 4,5% e 5%.

- Esse negócio de “PIB potencial” é bobagem.

- A inflação não é de demanda.

- Ela não vai derrubar a economia.

- Vai fazer concessões em aeroportos.

- Cortar o custeio é como cortar as unhas – tem que cortar, sempre !

- O mercado implica com o Banco Central porque não tem ninguém do mercado na diretoria.

- Não queremos ser só commoditizados. Queremos agregar valor.

- Temos petróleo, biocombustivel, hidrelétrica, minério e somos uma potencia alimentar.

- Quer que brasileiros estudem Exatas nos Estados Unidos.

- Vai fazer uma parceria com Obama em satélites para o clima.

- Não concorda com o apedrejamento de mulher no Irã nem com prisão sem julgamento, como em Guantánamo.

- Não vem que não tem: não vai tirar direito de trabalhador.

- O Brasil assumiu seu papel internacional.

- Não cabe mais numa “Aliança para o Progresso”.

- A desigualdade de renda é ruim politicamente, socialmente e não é boa para a economia.

- “Que outro país do mundo tem a reserva de petróleo que nós temos, que não tem guerra, não tem conflito étnico, respeita contratos e tem princípios democráticos perfeitamente claros e uma visão de mundo tão generosa e pró-paz ?

quarta-feira, 16 de março de 2011

AMOR MADURO (Arthur da Távola)



O amor maduro não é menor em intensidade. Ele é apenas silencioso. Não é menor em extensão. É mais definido colorido e poetizado. Não carece de demonstrações. Presenteia com a verdade do sentimento. Não precisa de presenças exigidas. Amplia-se com as ausências significativas. 
O amor maduro tem e quer problemas, sim, como tudo. Mas vive dos problemas da felicidade. Problemas da felicidade são formas trabalhosas de construir o bem, o prazer. Problemas da infelicidade não interessam ao amor maduro. Na felicidade está o encontro de peles, o ficar com o gosto da boca e do cheiro do outro - está a compreensão antecipada, a adivinhação, o presente de valor interior, a emoção vivida em conjunto, os discursos silenciosos da percepção, o prazer de conviver, o equilíbrio de carne e de espírito. 
O amor maduro é a valorização do melhor do outro e a relação com a parte salva de cada pessoa. Ele vive do que não morreu, mesmo tendo ficado para depois, vive do que fermentou criando dimensões novas para sentimentos antigos, jardins abandonados, cheios de sementes. Ele não pede, tem. Não reivindica, consegue. Não percebe, recebe. Não exige, oferece. Não pergunta, adivinha. Existe, para fazer feliz.  (Arthur da Távola)

sexta-feira, 4 de março de 2011

AP – Sinsepeap – Professores querem afastamento do presidente Aildo Silva

O chefe da entidade está sendo acusado de promover superfaturamento em obras da nova sede

Está marcada para hoje (11), às 9 horas, na quadra de esportes da Escola Estadual Gabriel de Almeida Café, antigo CCA, a assembléia-geral extraordinária que pode definir o futuro de Aildo Silva à frente do Sindicato dos Servidores Públicos em Educação no Amapá (Sinsepeap).
Além do possível afastamento do presidente da entidade, está também na pauta a apresentação das supostas irregularidades cometidas na administração do professor Aildo Silva com relação a obras de patrimônios pertencentes ao sindicato. Deverão estar presentes na assembléia todos os sindicalizados federais, estaduais e municipais para que tomem conhecimento das irregularidades detectadas na entidade sindical.
Entre as acusações que pesam contra Aildo consta a de superfaturamento na construção do muro frontal da sede campestre situada na rodovia Macapá/Fazendinha, orçado em R$ 265 mil. Outra suposta irregularidade é obra da guarita da sede campestre, que custou aos cofres do Sinsepeap R$ 50 mil. A mais grave das suspeitas está na construção da sede social, situada na avenida Raimundo Álvares da Costa, Centro, no valor de mais de 2 milhões de reais (R$ 2.185.000,00).
A edificação da nova sede estava prevista para valer exatos R$ 2 milhões, tendo sido iniciada em novembro de 2008, com previsão de conclusão para novembro de 2009. Atualmente, a obra está parada e abandonada. A empresa contratada, Laser Arquitetura e Engenharia Ltda, teria recebido todo o valor da obra, mesmo não tendo concluído o serviço. O último pagamento feito pelo sindicato à empresa aconteceu no dia 13 de dezembro de 2009, inclusive em duas parcelas, uma de R$ 55 mil e a outra de R$ 85 mil – sendo que este último valor seria o responsável por extrapolar do custo total constado no contrato, elevando-o para R$ 2.185.000,00. Atualmente está ocorrendo uma auditoria nas contas do sindicato.
“Vamos colocar isso para a categoria e deliberar pelo afastamento ou não dos ordenadores de despesa, enquanto durar a auditoria. A convocação da assembléia extraordinária foi baseada no artigo 18, inciso III do estatuto do Sinsepeap, que diz que quando o presidente da entidade e a instância do Conselho Diretivo não convocam uma assembléia, a assinatura de 5% dos sindicalizados faz a convocação. Nós conseguimos recolher 875 assinaturas, que nos dão essa prerrogativa de convocar uma assembléia-geral extraordinária que tratará especificamente das ações da comissão de auditoria”, explicou o secretário-geral do Sinsepeap, Rui Valdo Coutinho.

quarta-feira, 2 de março de 2011

Cristovam elogia Dilma por tratar da volta às aulas na primeira mensagem em rede nacional

Sex, 11 de Fevereiro de 2011 16:41  


O senador Cristovam Buarque (PDT-DF) saudou a presidente Dilma Rousseff, nesta sexta-feira (11), pela iniciativa de dedicar seu primeiro pronunciamento em cadeia nacional para falar da volta às aulas. Ele destacou o ineditismo do fato e pediu que o discurso fosse registrado nos anais da Casa.
 Nunca houve isso! Já houve até ministros que foram em cadeia nacional de televisão e falaram de um programa ou outro, mas presidente chegar lá e falar para todo o Brasil e falar naquele horário nobre sobre educação eu nunca tinha escutado – destacou.
Para Cristovam, a presidente acertadamente vinculou a educação a progresso e justiça social. Segundo ele, a presidente poderia ter privilegiado na sua mensagem, por exemplo, o programa Minha Casa Minha Vida, que pode ser uma condição do bem-estar, mas não vetor de progresso como seria o caso da educação.
O senador elogiou ainda a própria qualidade literária da fala da presidente, a forma como o assunto foi abordado. Por fim, mostrou sua satisfação com a marca visual agora adotada pelo governo, em que aparece o nome Brasil e abaixo a frase “Um país rico é um país sem pobreza”.
- Esta frase vai provocar uma revolução mental neste País, não é uma frase apenas de slogan, nem tem a falsidade, vamos falar com franqueza, que “Brasil um país de todos” tinha – disse o senador, numa referência à marca do governo do então presidente Lula.
Na avaliação do senador, o Brasil não será o “país de todos” enquanto houver pessoas excluídas e 14 milhões de analfabetos.
Ainda segundo Cristovam, os brasileiros se acostumaram com a ideia de que país rico é aquele com alta renda, mesmo que concentrada. Ou ainda que seria rico o país com renda alta mas que destroi o meio ambiente.
- O novo slogan é uma visão completamente diferente, é uma perspectiva completamente nova, que vai trazer para as nossas crianças uma maneira diferente de ver o problema da riqueza e da pobreza, porque coloca dentro do próprio conceito de riqueza o fato de não ter pobreza ao redor – comentou.